Família Taboada na Bahia (I)

Ubaldo Marques Porto Filho

Sinto-me muito honrado em ser o autor do livro ‘Família Taboada na Bahia’. Primeiramente pelos laços, desde a adolescência, que me unem a essa família símbolo do Rio Vermelho, o bairro onde resido há meio século. Em segundo lugar por dois aspectos pioneiros que a obra enfeixa.

O primeiro é representado pelo conteúdo, pois as pesquisas demonstraram que ‘Família Taboada na Bahia’ é o primeiro livro que se publica sobre a história de uma família galego-baiana. Galega porque o nome Taboada possui raízes milenares fincadas na Galícia, região no noroeste da Espanha, de onde vieram José Taboada Vidal, José Ramón Taboada Dominguez e Nestor Taboada Rivas. Na Bahia eles construíram belíssimas trajetórias profissionais e geraram a descendência baiana.

O segundo pioneirismo é representado pelo produto gráfico. Além de ter sido produzido em papel de primeiríssima qualidade, ‘Família Taboada na Bahia’ apresenta duas capas, sendo a dura com um refinado acabamento com ilustrações em fios dourados. Uma outra grande novidade está na caixa dupla que envolve e protege o livro, inédita no mercado gráfico baiano.

Com ‘Família Taboada na Bahia’ está sendo desmistificada a crença de que livros com essa primorosa qualidade final somente poderiam ser impressos no Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre e até mesmo em Recife. E o nosso livro foi todo impresso aqui em Salvador, na gráfica Press Color, coincidentemente localizada em área territorial do meu querido Rio Vermelho. Méritos também para a qualidade criativa da Editora Dendê, que fez a editoração eletrônica da obra.

Aproveito também este momento para dizer que a minha entrada definitiva, de corpo e alma, no projeto do livro foi por iniciativa de Cláudio Pinheiro Taboada, que tinha o sonho de ver a história da sua família resgatada e publicada sob a chancela editorial da Academia dos Imortais do Rio Vermelho, entidade que eu presidia.

Em paralelo, o economista Nelson Almeida Taboada, também imbuído do mesmo propósito, motivado em legar à sua filha, Carolina Soussa Taboada, a história da ascendência paterna, já havia feito contatos com um outro escritor. Porém, ao ficar sabendo que eu me encontrava envolvido na missão, ele imediatamente avalizou o projeto e passou a comandar as ações que resultaram na viabilização financeira do empreendimento editorial e na logística operacional. Colocou à disposição do autor toda a estrutura administrativa da sua empresa, a Terra Norte S.A., e até mesmo o seu avião particular, que utilizei em algumas viagens para pesquisas.

Portanto, ao mecenas da família Taboada, antigo ás do automobilismo baiano e um bem sucedido empresário, devemos a concretização do desejado livro. A Nelson Taboada também se deve o luxo e o virtuosismo do produto final, além, evidentemente, desta maravilhosa festa de lançamento, em local dos mais nobres da nossa Cidade, aqui no Salão de Eventos do Yacht Clube da Bahia.

Tudo isso foi realizado com o selo da Casa de Cultura Carolina Taboada, criada por Nelson, por ele presidida, por ele mantida e por onde estão sendo irradiadas diversas ações de cunho cultural, que já estão inclusive beneficiando projetos fora da esfera familiar, basicamente voltados ao bairro do Rio Vermelho. Também tem atuado na área da beneficência aos carentes.

Quero também registrar que no decurso da preparação do livro estive colhendo subsídios em importantes fontes de pesquisas, dentre elas as bibliotecas do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia e da Associação Cultural Caballeros de Santiago. A essas entidades tributo a minha gratidão, bem como ao empresário Norberto Odebrecht, que também deu uma importante colaboração.

Por último, os agradecimentos especiais pelo apoio e pelas valiosas informações que recebi de dois membros da família: Amélia Taboada Gomes da Costa e Nestor Taboada Rivas. Agradeço também a Lise Weckerle, autora do Prefácio, a Reginaldo Trigo Carreiro, autor da Apresentação, a Márcio Santos Souza, que escreveu a Primeira Orelha, e a Flávio Damásio de Paula, signatário da Segunda Orelha.

Fico agora na expectativa de que o conteúdo do trabalho seja do agrado dos leitores e que esteja à altura da sofisticação técnica que o patrocinador, Nelson Taboada, fez questão de dar ao livro e à festa do seu lançamento.

Discurso no
Yacht Clube da Bahia,
em 1º de novembro de 2008,
no lançamento do livro
‘Família Taboada na Bahia’.