Maria Carmen Pinheiro Taboada

Ubaldo Marques Porto Filho

Filha do casal João Crisóstomo Pinheiro e Maria Valda Bezerra Pinheiro, cearenses de Quixadá e Morada Nova, respectivamente, Maria Carmen Bezerra Pinheiro nasceu em 3 de novembro de 1949, na Rua Marquês de Monte Santo, numa casa onde hoje se encontra um supermercado da rede Bompreço. A residência ficava anexa à Fábrica de Papel da Bahia, proprietária do imóvel que se destinava à família do seu administrador. A segunda das duas filhas do gerente cresceu ouvindo os apitos periódicos e precisos da fábrica, uma referência na vida de uma parte do Rio Vermelho, pois ditava o horário oficial do seu setor norte.

Seguindo a praxe, em que as crianças das famílias conceituadas começavam os estudos no Jardim de Infância Osvaldo Cruz, Carminha passou por esse estabelecimento e também pela Escola São José. Depois foi estudar fora do Rio Vermelho, no Colégio das Mercês, rigoroso educandário de freiras francesas, onde concluiu o primário, fez o ginásio, o normal e se formou em 1969, recebendo diploma no grau de professora primária. Na Associação Cultural Brasil-Estados Unidos (Acbeu), cursou língua inglesa.

Maria Carmen não chegou a lecionar, pois no ano seguinte se  casou com Affonso José Taboada Filho, seu namorado desde 1965, quando fazia parte do Grêmio Juventude do Rio Vermelho, onde coordenava o setor de formação religiosa, e integrava a Federação das Bandeirantes do Brasil, seção da Bahia, tendo sido bandeirante, guia e subchefe.

Quando se divorciou, em setembro de 1985, abriu uma firma individual e foi trabalhar na prestação de serviços para os setores de turismo, eventos e concursos. No dia 12 de fevereiro de 1993, aos 43 anos, casou-se com Celso de Araújo Oliveira, coronel do Exército nascido no Rio de Janeiro, em 18 de maio de 1943. Vitimado por um câncer, Celso faleceu a 25 de junho de 2004, em Salvador.

Vitimada por uma dengue hemorrágica, Maria Carmen faleceu em Salvador, no dia 7 de setembro de 2007, aos 58 anos, deixando quatro filhos: André Pinheiro Taboada, Cláudio Pinheiro Taboada, Roberto Pinheiro Taboada e Maria Flávia Pinheiro Taboada.

Texto extraído das páginas 260 do livro
‘Família Taboada na Bahia’,
de Ubaldo Marques Porto Filho,
publicado em 2008.