Mário Câmera de Oliveira

Ubaldo Marques Porto Filho

Mário Câmera de Oliveira nasceu em 3 de janeiro de 1927, em Palame, distrito do município baiano de Esplanada. Ainda criança passou a residir em Salvador. Estudou no Colégio Salesiano e ingressou na Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia em 1951.

Antes de tornar-se bacharel em direito, diplomado em 8 de dezembro de 1955, formou-se em filosofia pelo Seminário Central da Bahia e também pela Faculdade de Filosofia da Universidade Federal da Bahia.

Prestou concurso para o magistério estadual e foi aprovado em primeiro lugar na cátedra de latim. No Colégio Estadual da Bahia (Central), lecionou latim, grego e português. Nos colégios estaduais Severino Vieira, João Florêncio Gomes, Duque de Caxias e Manoel Devoto ensinou latim e português.

Através da Portaria nº 3924, de 1º de julho de 1960, publicada no Diário Oficial do Estado do dia seguinte, foi designado diretor do Ginásio Estadual Manoel Devoto, onde passou a lutar pela agilização na construção do novo prédio, inaugurado com o nome de Colégio Estadual Manoel Devoto - Cemd.

De suas ações constou também a disseminação da importância da educação, do amor e do respeito pela instituição educacional, implementadas por meio de campanhas direcionadas aos professores, alunos, funcionários, pais e à comunidade do bairro do Rio Vermelho.

E conseguiu muito mais, pois como competente líder gerencial, que soube montar um excelente corpo docente e uma equipe de funcionários qualificados, colocou a unidade do Rio Vermelho como referência na rede pública do ensino na Bahia.

Também ficou cravado na história desse estabelecimento, o dia das atividades cívicas, nas manhãs das quintas-feiras, com o hasteamento das bandeiras, execução de hinos e uma palestra no auditório. O escritor Jorge Amado e o maestro Eleazar de Carvalho foram dois dos palestrantes com renome nacional.

Mário Câmera, que havia sido nomeado no governo de Juracy Magalhães, foi mantido na direção do Cemd pelo seu sucessor, governador Antônio Lomanto Júnior. Após quase sete anos de profícuos trabalhos, deixou o cargo de diretor pela Portaria nº 33, de 24 de maio de 1967, 47 dias depois da posse do novo governador, Luiz Viana Filho.

Embora continuasse nas atividades como educador, mas sem os compromissos de cargos de direção, Mário Câmera passou a se dedicar com mais afinco à carreira de advogado. Em 2005, quando completou 50 anos no exercício da profissão, recebeu da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Seção Bahia, o Troféu Cidadania, uma láurea concedida aos que fazem do seu trabalho uma profissão de fé no Direito.

Além do magistério, que exerceu até a aposentadoria, em 1984, e da advocacia, ainda em plena atividade, Mário Câmera de Oliveira também se destacou no movimento leonístico. Foi um dos fundadores, em 17 de maio de 1965, do Lions Clube de Salvador Sudoeste, ao qual pertence até hoje. Depois de presidi-lo, foi presidente de Região, presidente de Divisão, governador de Distrito, presidente da Associação dos Governadores do Distrito L e presidente do Conselho de Governadores.

Salvador, 10 de julho de 2013.