Pedro Godinho

Ubaldo Marques Porto Filho

Pedro Luiz da Silva Godinho é baiano de Salvador, tendo nascido em 28 de junho de 1947. Bacharel em direito pela Universidade Federal da Bahia, formado em 1973, foi secretário particular do prefeito de Salvador em dois períodos, 1979-1981 e 1986-1987, ambos nas gestões do Mário Kertész. Em 1987 assumiu a Secretaria Municipal de Esportes, onde se projetou definitivamente na vida pública.

Galvanizando a popularidade adquirida na Prefeitura com a de desportista, visto que tinha sido diretor de patrimônio do Esporte Clube Vitória, bem como o incentivo dos moradores da Barra, bairro onde residia, candidatou-se à Câmara Municipal de Salvador pela legenda do PMDB, sendo eleito com expressiva votação nas eleições de 15 de novembro de 1988.

Com destacada participação na primeira casa legislativa do país, foi líder da bancada do PMDB. Reeleito três vezes consecutivas, todas por um outro partido, o PFL, presidiu a Comissão Permanente de Turismo e foi presidente da Câmara Municipal no biênio 1992-1994. Depois, durante quatro anos, de 1997 a 2000, foi líder do Governo na Câmara Municipal.

Empunhando a bandeira do planejamento familiar, desde o primeiro mandato, desenvolveu, sempre em parceria com o cientista Elsimar Coutinho (especialista em reprodução humana), um intenso e incansável trabalho de conscientização das comunidades. As campanhas alertavam a sociedade em geral e os governantes em particular para as consequências catastróficas - para a capital baiana e, por extensão, todo o país - caso a população continuasse crescendo de forma descontrolada.

Foi o autor de uma indicação ao prefeito Antônio Imbassahy pedindo que o município implantasse e gerisse um programa de planejamento familiar. A consequência dessa solicitação foi a criação, em 2001, da Secretaria Municipal de Articulação e Promoção da Cidadania. Para comandá-la, o prefeito convidou justamente o ‘Vereador do Planejamento Familiar’.

No tocante especificamente ao planejamento familiar, a mola mestra da nova secretaria, o enfoque foi direcionado à informação. Muita informação e muita orientação às mulheres em idade de procriação, principalmente às jovens e adolescentes dos segmentos populares.

Com o apoio das secretarias de Saúde, do Município e do Estado, a população soteropolitana passou a obter, na rede dos centros de saúde, todos os esclarecimento sobre o significado do planejamento familiar e sobre os métodos contraceptivos, para que a gravidez não programada ou não desejada fosse evitada. Diversas cidades, da Bahia e de outros estados, importaram o modelo da experiência pioneira comandada por Pedro Godinho no serviço público municipal.

Abrindo mão de uma eleição que garantiria o quinto mandato como vereador, aceitou o convite de César Borges, ex-governador da Bahia, para compor a sua chapa como candidato a vice-prefeito de Salvador, nas eleições de 2004. Sem obter a vitória, Pedro Godinho ficou quatro anos sem mandato parlamentar.

Regressando à legenda do PMDB, nas eleições de 2008 foi reconduzido à Câmara Municipal de Salvador. Assumiu a presidência da Comissão Permanente de Planejamento Urbano e Meio Ambiente e voltou a ser líder do Governo Municipal na Câmara.  Pelos vínculos estreitos com o bairro do Rio Vermelho, desde que se iniciou na vida pública, a Central das Entidades do Rio Vermelho (Cerv) designou-o, em 9 de fevereiro de 2009, representante político desse bairro.

No dia 16 de fevereiro de 2009, deu entrada no Projeto de Lei Nº 16/2009, propondo a criação do Dia Municipal de Caramuru. Por sua iniciativa, a Câmara Municipal realizou uma Sessão Especial no dia 16 de junho de 2009, dedicada aos 500 anos da chegada de Diogo Álvares Corrêa ao Rio Vermelho, num episódio que simbolizou a descoberta do Rio Vermelho.

Pedro Godinho é portador de três diplomas outorgados pelo bairro: Benemérito da Paróquia de Sant’Ana do Rio Vermelho, concedido pelo Conselho Paroquial do Rio Vermelho; Honra ao Mérito, concedido pela Cerv, pelo conjunto dos serviços prestados ao bairro: e Honra ao Mérito Histórico, também pela Cerv, por ter sido o autor do  Projeto de Lei Nº 16, que redundou na Lei Municipal 7.774, sancionada pelo prefeito João Henrique Carneiro em 15 de dezembro de 2009.

No dia 2 de janeiro de 2011, Pedro Godinho foi eleito, em chapa única, presidente da Câmara Municipal de Salvador, para um mandato de dois anos.

Texto publicado nas páginas 127/128 do livro
‘Cinco de Outubro, Dia de Caramuru’,
editado em 2012.