Perfilino Neto

Ubaldo Marques Porto Filho

Perfilino Eugênio Ferreira Neto é jornalista e radialista. No jornalismo trabalhou no Diário de Notícias e no Estado da Bahia, integrantes da poderosa rede dos Diários Associados na Bahia. Colaborou ainda com matérias sobre música popular brasileira na Tribuna da Bahia, Jornal da Bahia, Jornal da Cidade, A Tarde e Correio da Bahia. No rádio começou em 1958, como rádioescuta, na Rádio Cultura da Bahia. Foi operador, discotecário, locutor, repórter, redator, editor econômico, chefe de redação e editor de jornalismo, na Cultura e na Rádio Bahia.

Na Rádio Cultura apresentou durante muitos anos programas musicais de sucesso: ‘Em Tempo de Choro’, ‘Música de Nossa Gente’, ‘Na Bahia do Samba’, ‘Figuras e Coisas do Carnaval’, ‘Festas Juninas’, ‘No Tempo da Retreta’, ‘Figuras e Coisas da MPB’, ‘Vamos Falar de Saudade’ e ‘A Era do Rádio’.

No Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia (Irdeb), onde se encontra desde a fundação, em 1981, já foi assessor especial, assessor de comunicação social, chefiou o núcleo de produção cultural, gerenciou a produção de rádio e dirigiu a Rádio Educadora Ondas Curtas. Ocupa pela quarta vez a coordenação da Rádio Educadora FM, onde apresenta diariamente, desde 2002, das 22 às 23 horas, o programa ‘Memória do Rádio’.

Em 1993, Perfilino ganhou na China o prêmio internacional Shangai Radio Music Show, concedido por ter produzido o programa ‘Encontro com o Chorinho’, veiculado na Rádio Educadora FM. Em 1998, com ‘O Dinheiro na MPB’, programa que produzia na Rádio Cultura da Bahia AM, foi o vencedor, na Bolívia, do Concurso Latinoamericano de Programas de las Naciones Unidas para el Educación y Ciência. Do Governo do Estado da Bahia recebeu, em 22 de novembro de 2002, a Ordem do Mérito, no grau de Cavaleiro. No mês seguinte, o Irdeb (ao qual se encontram vinculadas a TV Educativa da Bahia e a Rádio Educadora da Bahia) inaugurou o ‘Memorial do Rádio Perfilino Neto’, cujo acervo foi doado pelo homenageado. A Câmara Municipal de Salvador outorgou-lhe a Medalha Thomé de Souza, a mais alta honraria da cidade onde nasceu.

Dono de uma coleção formada por 52 mil LPs, Perfilino Neto é também compositor e intérprete, tendo, em 1968, gravado na CBS um compacto simples com duas músicas de sua autoria: na face A o samba ‘Afine a Viola’ e no lado B a marchinha carnavalesca ‘Teve Catiripapo’, prefixo do programa ‘Patrulha da Cidade’, que ele produzia e apresentava na Rádio Cultura da Bahia. As duas composições foram depois incluídas no LP ‘Os Bambas do Samba’, da mesma gravadora.

Conferencista da MPB e da história do rádio brasileiro, é consultor de gravadoras de discos e escreveu um depoimento sobre rádio para o livro ‘Deraldo Motta, Realizador de Sonhos’. Assinou encartes e apresentações nos seguintes CDs: ‘Choro from Bahia’, ‘Bahia de Todos os Santos’, ‘Bater do Tambor’, ‘Do Lundu ao Axé’, ‘Fred Dantas no Choro’, ‘Carnaval do Pelô’, ‘Forró Azeitado’, ‘Poeta do Povo - Ederaldo Gentil’ e ‘Baú do Perfilino’. Teve ainda uma participação especial no filme ‘Samba Riachão’, vencedor do Festival do Cinema Brasileiro de 2001, em Brasília.

Texto publicado nas páginas 254/255 do livro
‘Bahia, Terra da Felicidade’,
de Ubaldo Marques Porto Filho,
editado em 2006.