Sydney Rezende

Ubaldo Marques Porto Filho

Sydney Gomes de Rezende nasceu em 9 de agosto de 1944, na Tijuca, bairro do Rio de Janeiro. Ingressou na vida profissional aos 15 anos, como auxiliar de vendas na loja de artigos escolares A Colegial, localizada no bairro de Ipanema. Aos 16 foi trabalhar na Cinecastro Estúdio e Laboratórios, especializada na produção de comerciais e na dublagem de filmes para a televisão.

Em 1968, a serviço da TV Globo, esteve na Cidade do México para conhecer o Bonded Shipping Service e checar sete seriados para a televisão brasileira. No ano seguinte chegou a Salvador para ser gerente geral da Publicidade Chama e da JS Gravações, primeira gravadora de Salvador.

Ficou pouco tempo nas empresas de Jorge Santos, famoso como apresentador de programas na Rádio Excelsior da Bahia e na TV Itapoan. Transferiu-se para a filial em Salvador da Standard Propaganda, que mudaria a razão social para Standard, Ogilvy & Mather, onde gerenciou os departamentos de mídia e tráfego. Paralelamente às atividades nessa agência, trabalhou no desenvolvimento do departamento comercial da revista Viverbahia, publicação oficial do turismo baiano, editada pela Bahiatursa, e também na implantação em Salvador do setor comercial das revistas A Construção Norte Nordeste e TCPO, ambas da Editora Pini, de São Paulo.

Em 1975, com mais três sócios, Sydney fundou a Divisão Associados de Propaganda. Três anos depois, da união da Divisão com a Engenho Novo, surgiu a D&E Publicidade e Promoções, tendo como sócios os publicitários Sydney Rezende, Sérgio Amado, Fernando Passos, Cláudio Barreto, José Roberto Berni e Domingos Leonelli.

Agência de sucesso, que se transformou num marco na publicidade baiana, obtendo várias e importantes premiações, a D&E foi pioneira no desenvolvimento do marketing político no Brasil. Em 1986, ficou responsável pela Campanha da Mudança, que conduziu Waldir Pires ao Governo da Bahia, numa vitória esmagadora, sem precedentes na história da política baiana.

Em 1990, da fusão da D&E com a DM-9 Propaganda, do publicitário Duda Mendonça, nasceu a DS/2000 Publicidade e Promoções, agência que possibilitou um avanço profissional na qualidade do carnaval de Salvador, dando-lhe maior visibilidade e atraindo grandes anunciantes nacionais. A presença de Sydney Rezende nessa nova empresa foi como vice-presidente administrativo.

Ao longo de suas atividades publicitárias, Sydney fez diversas viagens internacionais, participou de dezenas de congressos e conquistou várias láureas, dentre elas a de Publicitário do Ano de 1977 (Bahia) e Marketing Men 1990 (São Paulo). Por decreto de 13 de dezembro de 1990, o Governo da Bahia concedeu-lhe a Comenda da Ordem do Mérito da Bahia, na classe Cavaleiro. 

Sydney Rezende foi presidente do Grupo de Mídia da Bahia e também do capítulo baiano da Associação Brasileira de Agências de Propaganda. Sua gestão na Abap Bahia (1988-1991) foi marcada pelos esforços que culminaram na implantação do curso de Comunicação Social na Universidade Católica do Salvador, para habilitação em Propaganda.

Com o encerramento das atividades da DS/2000, passou a atuar na área da promoção de eventos, tendo coordenado por seis anos o Festival Internacional de Música da Bahia (Fest’in Bahia), que abriu as portas de importantes mercados, na Europa e nos Estados Unidos, para vários grupos musicais baianos, dentre eles o Araketu, Chiclete com Banana e a Banda Mel. Como produtor cultural desenvolveu diversos projetos na área da captação de recursos para eventos artísticos.

O carioca de nascimento e baiano por opção é também portador de uma extensa folha de serviços de benemerência, prestados ao Lions Clube Ondina, à Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae-Bahia) e ao Rio Vermelho. Em 1986, através da D&E, cuja sede ficava nesse bairro, ofereceu gratuitamente ao Censo do Rio Vermelho toda a campanha publicitária e os formulários para a realização do importante trabalho, que segundo o IBGE, que deu o apoio técnico, foi o primeiro recenseamento realizado no Brasil em nível de bairro.

Sydney Rezende presidiu o Conselho Consultivo da Associação dos Moradores e Amigos do Rio Vermelho (Amarv) e comandou a Comissão Gerenciadora dos Festejos dos 500 Anos do Rio Vermelho. É um dos fundadores do Conselho de Cultura e Turismo do Rio Vermelho, sendo o seu atual presidente.

Texto publicado nas páginas 133/134 do livro
‘Cinco de Outubro, Dia de Caramuru’,
editado em 2012.