Glauber Rocha

Ubaldo Marques Porto Filho

Glauber Pedro de Andrade Rocha, baiano de Vitória da Conquista, nascido em 14 de março de 1938, chegou a cursar o primeiro ano de direito na Universidade Federal da Bahia. Apaixonado pelo cinema,trocou a faculdade pelo ideal de fazer filmes.

Aos 20 anos, estreou com ‘O Pátio’, um curta-metragem. Em 1961, foi produtor executivo de ‘A Grande Feira’ e diretor de ‘Barravento’, marcos do chamado Cinema Novo, inaugurado no Rio de Janeiro, por Nelson Pereira dos Santos, com ‘Rio 40 Graus’.

Com a Bahia já reconhecida como importante núcleo do novo cinema nacional, Glauber Rocha produziu ‘Deus e o Diabo na Terra do Sol’, em 1963. Com esse filme, que se tornaria um clássico, o jovem diretor baiano ficou famoso. Exibido em Cannes, recebeu elogios da crítica francesa, mas não ganhou nenhuma premiação.

A consagração internacional o alcançou aos 29 anos, em 1967, com ‘Terra em Transe’, que obteve dois prêmios: Grand Prix, no Festival de Locarno (Itália) e Fipresci, no Festival de Cannes (França). Em 1968, novo sucesso retumbante, com ‘O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro’, onde Glauber recebeu o prêmio de Melhor Diretor, no famoso Festival de Cannes. Ainda em Cannes, seria premiado pela terceira vez, com ‘Di Cavalcanti di Glauber’, eleito o melhor Curta Metragem de 1977.

Rotulado de sonhador, audacioso, polêmico, brigão e até de louco, Glauber era, na verdade, um gênio do cinema, excepcional roteirista, diretor e produtor. E como tal, incomodou muita gente poderosa, incluindo censores da ditadura militar. O cineasta teve inclusive de se exilar por cinco anos, entre 1971 e 1976, período em que esteve em vários países.

De 1958, quando fez ‘O Pátio’, a 1980, ano da última produção, ‘A Idade da Terra’, participou de 21 filmes, sete deles rodados no exterior, entre longas e curtas metragens. Glauber se tornou uma referência na cinematografia baiana e brasileira.

Depois de ter sido transferido de um hospital em Lisboa, Portugal, Glauber Rocha faleceu no dia 22 de agosto de 1981, aos 42 anos, no Rio de Janeiro, de choque bacteriano.

----------------------------------------------
Texto publicado na página  134 do livro
‘Bahia, Terra da Felicidade’,
de Ubaldo Marques Porto Filho,
editado em 2006.