Licídio Lopes

Ubaldo Marques Porto Filho

Licídio Reginaldo Lopes nasceu no Alto de São Gonçalo, Rio Vermelho, em 26 de abril de 1899. Foi pescador, pintor de paredes e mestre-de-obras até tornar-se pintor primitivo de trabalhos muito elogiados pelos críticos das artes plásticas.

Em 1984, transformou-se no segundo escritor a publicar um livro contendo a história do seu bairro: ‘Rio Vermelho e Suas Tradições’, que escreveu ao longo de décadas. A obra é uma preciosidade histórica, pois resgata hábitos e costumes vigentes no Rio Vermelho durante a primeira metade do século XX. Foi prefaciada por Jorge Amado, que conclui a apresentação com o seguinte parágrafo:

“Aí está nas mãos dos leitores, o livro singelo, puro e admirável
que o velho pescador Licídio Lopes, jovem coração que já
passou dos oitenta anos, antigo pintor de paredes, vitorioso
pintor de quadros, nas horas vagas artista de cinema, homem de
muito saber e de vida vivida apaixonadamente, escreveu contando
o que sabe e o que viveu. Quem ler este livro jamais o esquecerá,
pois nele se renova nossa memória de baianos, de habitantes da
cidade da Bahia. Nossa memória de povo, aqui a reencontramos,
recriada numa prosa simples e mansa, gostosa e bela, tocada de
uma poesia natural, da sabedoria popular, de invulgar amor à vida,
às coisas, aos seres. Livro de singular importância, defende e revela
a verdade do que somos nós, baianos, e porque assim somos
diferentes dos demais. A Bahia revive nessas páginas, mar e terra,
céu e povo. Que beleza de livro!”.

Em função do seu grande saber, em 1986 atuou como consultor no trabalho da Delimitação do Rio Vermelho, que resultou na elaboração do primeiro mapa do bairro que o mestre conhecia minuciosamente.

Pelo Projeto de Resolução nº 52/84, apresentado pela vereadora Jane Vasconcelos e aprovado pela Câmara Municipal de Salvador, Licídio Lopes recebeu em Sessão Solene, no Plenário Cosme de Farias, no dia 11 de agosto de 1986, a Medalha Thomé de Souza, a mais alta honraria concedida pela primeira casa legislativa do país.

Licídio Lopes faleceu em Salvador, aos 88 anos, no dia 22 de maio de 1987, no Hospital Português. Era casado com Maria Olga Silva Lopes e tiveram 16 filhos.

Salvador, julho de 2010.