Orlando Menezes

Ubaldo Marques Porto Filho

Orlando Bastos de Menezes nasceu em Salvador, a 6 de outubro de 1916. Formou-se em 1941, pela Escola Nacional de Veterinária do Rio de Janeiro. Como foi o primeiro da turma, ganhou do Ministério da Agricultura um emprego para trabalhar em Carpina, município pernambucano localizado a 45 km do Recife. Depois, o Ministério o transferiu para a Defesa Sanitária Animal em Aracaju, capital de Sergipe.

Em 1950, Orlando chegou em Salvador, indo trabalhar no Instituto Biológico da Bahia, órgão que chegou a dirigir interinamente. Ingressou no magistério em 1952, quando o governador Régis Pacheco criou a Escola de Medicina Veterinária da Bahia, que em 1966 foi federalizada, passando a ser uma unidade da Universidade Federal da Bahia - Ufba.

Como professor catedrático da cadeira de parasitologia, fez parte do corpo docente do Instituto de Ciências da Bahia (Ufba), onde chefiou o Departamento de Parasitologia. Após 25 anos como professor universitário, aposentou-se por tempo de serviço, em agosto de 1977. Porém, recebeu convite para ingressar na Universidade Estadual de Feira de Santana, onde ensinou zoologia, supervisionou cursos noturnos, organizou e dirigiu o biotério.

O professor Orlando Menezes é autor de um trabalho muito importante, o ‘Dicionário de Parasitologia’, editado em 1984, pela Empresa Gráfica da Bahia. No gênero, foi a primeira obra publicada no mundo, que mereceu diversas menções nos meios acadêmicos, nacionais e internacionais, como referência para professores e estudantes de veterinária.

Orlando Bastos de Menezes, que durante muitos anos residiu no Rio Vermelho, faleceu em Salvador, aos 90 anos, no dia 23 de setembro de 2007. O seu corpo foi levado para sepultamento em Feira de Santana, ao lado da esposa, Alice Farias de Menezes. O casal teve três filhos: Afrânio, Roberto e Ana Regina.

Fonte:
Livro ‘Rio Vermelho’,
escrito por Ubaldo Marques Porto Filho,
publicado em 1991.